Olhos de Luar (Chrystian e Ralf)

"Olhos de Luar" é uma obra de arte da música sertaneja cantada pelos irmãos Chrystian e Ralf. Sou apaixonado pela letra, pois é uma história linda e triste.

Acordei nesta segunda-feira e, como de costume, já liguei meu Etezinho (toca-MP3 com falantes que tem a cara do personagem de cinema). Enquanto escovava os dentes, tocou essa canção maravilhosa, que recebi de meu cunhado-irmão Paulinho Crepaldi.

Sentei na cama e fiquei ouvindo, emocionado. Confesso que não resisto e sempre fico com os olhos marejados no final, na parte sobre o espírito de Tião aparecer de mãos dadas com o filho no canavial, deixando um rastro de luz...

Não existe clipe desta música no Youtube. Então, ouça a música:



Quer cantar junto? Leia a letra:

Tião era um mulato forte, alegre e destemido
Nasceu do amor feito na terra em meio a plantação

Pegava no cabo da enxada e campeava o gado
Tristeza era coisa que não se via do seu lado

Depois da roça ia pra venda, um copo de cachaça
Cantava, tocava viola e fazia graça

O peito largo, o riso claro, amigo dos amigos
Não tinha medo de ninguém, zombava dos perigos

Um dia ele sentiu no rosto
Os olhos de luar da filha do patrão

E um doce amargo alegre e triste entrou no coração
Tião não era mais o mesmo desde que sentiu o brilho desse olhar
Sentiu pela primeira vez vontade de chorar

Mas o feitiço do olhar entrou feito veneno
O olhar da filha do patrão no seu corpo moreno

Ah! esse olhar tinha mais luz que o sol do meio-dia
A tentação era mais forte ele não resistia

Um dia ela chegou mais perto um raio de esperança
Um homem quando ama fica assim meio criança

E ele então falou de tudo aquilo que sentia
Pediu desculpas por amar assim quem não devia

E uma lágrima rolou dos olhos de luar da filha do patrão
Seu rosto branco avermelhou na força da paixão

Então o céu chegou na terra quando o amor existe fica tudo igual
E o amor aconteceu no meio do canavial

Mas o orgulho do patrão ainda era mais forte
A honra se lava com sangue, uma jura de morte

O fruto desse amor não pode ver a luz do dia
À noite o som de um tiro e um corpo cai na terra fria

Mas tudo que aqui se faz aqui também se paga
A mancha do sangue na terra nunca mais se apaga

Por sete anos nada mais nasceu naquele chão
E a noite escureceu de vez os olhos do patrão

Mas quando é noite de luar
Tem gente que já viu em meio à plantação
Um negro levando um menino louro pela mão
Os dois correndo pelo campo vão deixando um rastro de luz sem igual
um rastro de um amor no meio do canavial

O blogueiro José Marcos Taveira, ou Zemarcos, é jornalista há 30 anos, com especialização em comunicação social. Mora em Araçatuba, cidade do interior de São Paulo (Brasil).
Saiba mais sobre o autor.