Um refém da Telefônica - Parte 2

Olha só a quantidade de comprovantes de visitas técnicas...
A Telefônica conseguiu um recorde: me deixou durante uma semana sem conexão à internet pelo Speedy. Na última vez, foram "apenas" quatro dias.

Desta vez, foi uma tremenda falta de comunicação dentro de uma empresa que deveria ser especialista nisso.

Tudo começou no dia 10, quando algum funcionário tapado fez o favor de me desconectar durante o que eles chamam de tratamento de PAR para um cliente. Fiquei até sem telefone.

Liguei dez minutos depois, usando meu celular, e o atendente me informou sobre a cag... o erro. Ou seja, constatou o problema de cara. E prometeu que o caso seria resolvido em no máximo 48 horas.

Esperei dois dias e nada. Quando liguei de novo do celular, não havia um pedido sequer de reparo. Como o atendente não havia me passado um protocolo, tive que esperar mais 48 horas para que um técnico resolvesse.

O telefone voltou, mas nada de internet. Então, o problema virou um efeito dominó. Mandavam um técnico de linha e não era na linha. Botavam culpa no meu equipamento, mas um dos muitos técnicos que nos visitaram fez todos os testes e constatou que era na rua.

E não adianta você ligar pedindo urgência, dizer que trabalha com a internet ou coisa assim. Eles vêm na medida do possível...

Quando me preparava para uma denúncia formal para a Anatel, finalmente hoje o problema foi resolvido. Ainda não estou com velocidade boa, mas já é um começo.

E me deram desconto de 50% na mensalidade por causa das falhas. Pelo menos isso. Na última, em que fiquei quatro dias fora da internet, descontaram R$ 1,50.

O blogueiro José Marcos Taveira, ou Zemarcos, é jornalista com especialização em Comunicação Social. Mora em Araçatuba, cidade do interior de São Paulo (Brasil).