Os inesquecíveis filmes com Robin Williams


Em uma manhã qualquer, vi uma imagem de Robin Williams na internet e tive a ideia de mostrar alguns trechos de seus filmes ao meu filho adolescente. A primeira delas era a de meu predileto: "Amor Além da Vida". Williams contracena com Cuba Gooding Jr. e nos faz chorar. "Não há outro homem com quem eu iria ao inferno", afirma em um dos trechos. Quem conhece o longa, vai entender o motivo de tanta emoção.

Vi meu menino chorar comigo. E nos abraçamos também em meio às lágrimas. Na sequência, mostrei a ele a cena de "Patch Adams - O Amor é Contagioso" em que Williams tenta convencer um paciente internado com ele no mesmo quarto de uma clínica a ir ao banheiro, aceitando suas neuras. Rimos muito, muito mesmo.

Robin Williams era assim. Nos fazia rir e chorar com tanta intensidade quanto suas memoráveis interpretações. Sua morte, em 11/08/2014, aos 63 anos, vai deixar uma lacuna enorme no cinema. Vai faltar aquele homem que nos contagiava com seu grande sorriso, que nos emocionava com personagens incríveis... Uma perda irreparável, uma batalha vencida pela depressão...

Em sua homenagem, reuni neste texto seus filmes principais, a maioria deles inesquecível. Uma boa parte está disponível para assistir no Netflix, a TV do futuro.

Já escrevi aqui em duas oportunidades sobre seus trabalhos. Em 'Isto não sou eu', falo sobre "Tempo de Despertar", uma de suas grandes obras. E o ator também está na minha lista de 'Dez filmes emocionantes e inesquecíveis'.

Antes de concluir este post, voltei a chamar meu menino para rever nossa cena predileta de "Amor Além da Vida", que fala do relacionamento do protagonista com seu filho, mesmo após a morte. Mais uma vez, em sua homenagem, choramos juntos e nos abraçamos. É... Robin Williams fazia isso com a gente...

 JUMANJI (1995) 
O jovem Alan Parrish ( Robin Williams) descobre um misterioso jogo que magicamente o transporta para as selvas de Jumanji até que duas crianças, uma delas a atriz Kirsten Dunst, o libertam do poderoso feitiço do jogo. Longa cheio de efeitos especiais e muito divertido.

Assista no Netflix


 A GAIOLA DAS LOUCAS (1996) 
Armand (Robin Williams), dono de um "drag nightclub", e Albert são um casal gay e decidem agir como uma família normal. A confusão começa quando o filho de Armand anuncia sua intenção de casar com a filha de um senador tradicionalista (Gene Hackman).

Assista no Netflix

 HOOK - A VOLTA DO CAPITÃO GANCHO (1991) 
Peter Pan (Robin Williams), o garoto que não quer crescer, acaba crescendo, mas o vingativo Capitão Gancho (Dustin Hoffman) rapta os filhos de Peter, fazendo com que ele volte à Terra do Nunca. Detalhe para a fada Sininho, interpretada por Julia Roberts.

Assista no Netflix

 INSÔNIA (2002) 
Enviado para investigar o assassinato de uma adolescente em uma cidade do Alasca, um detetive (Al Pacino) acidentalmente atira em seu parceiro enquanto tenta capturar um suspeito. Robim Williams interpreta o vilão. O filme ainda conta com a ótima Hilary Swank.

Assista no Netflix

 GÊNIO INDOMÁVEL (1997) 
Quando professores descobrem que um simples servente (Matt Damon) é um gênio da matemática, um terapeuta (Robin Williams) ajuda o jovem a confrontar os demônios que impedem seu desenvolvimento. Interpretação que garantiu um Oscar a Williams. O elenco conta ainda com Ben Affleck.

Assista no Netflix

 O SOM DO CORAÇÃO (2007) 
Lyla e Louis passam uma linda noite de amor juntos, mas acabam se separando, e seu filho é criado por um estranho, interpretado por Robin Williams, que faz outro excelente vilão. O filme é simplesmente emocionante, principalmente pela interpretação do jovem Freddie Highmore.

Assista no Netflix

 O HOMEM BICENTENÁRIO (1999) 

A família Martin compra um robô (Robin Williams) para ajudar nas tarefas domésticas, mas ele logo começa a apresentar sentimentos humanos e a expressar sua criatividade. Uma obra de arte que é impossível não chorar no final.

Assista no Netflix

 AMOR ALÉM DA VIDA (1998) 
Chris (Robin Williams) morre em um acidente de carro e vai direto para o céu. Inconsolável, sua esposa comete suicídio e acaba indo parar em um lugar diferente. No elenco, o incrível Cuba Gooding Jr. Impossível não chorar...

Assista no Netflix

 SOCIEDADE DOS POETAS MORTOS (1999) 
Em 1959, na Welton Academy, uma tradicional escola preparatória, um ex-aluno (Robin Williams) se torna o novo professor de literatura, mas logo seus métodos de incentivar os alunos a pensarem por si mesmos cria um choque com a ortodoxa direção do colégio, principalmente quando ele fala aos seus alunos sobre a "Sociedade dos Poetas Mortos".



 UMA BABÁ QUASE PERFEITA (1993) 
Daniel Hillard (Robin Williams) está passando por uma fase complicada, acaba de se separar de Miranda (Sally Field) e perdeu o seu emprego. Impedido pela ex-esposa de passar mais tempo com os filhos, ele tem uma ideia inusitada para recuperar a relação com as crianças. Daniel veste-se como uma senhora idosa escocesa e tenta conseguir o cargo de babá no seu antigo lar.



 BOM-DIA, VIETNÃ (1987) 
Saigon, 1965. Adrian Cronauer (Robin Williams) vai para o sudeste da Ásia para trabalhar como DJ na Rádio Saigon, operada pelo governo americano. Em contraste com os tediosos locutores que o precederam, Cronauer é bem dinâmico e inicia sempre as transmissões com um sonoro e vibrante "Bom-dia, Vietnã!", tocando músicas que não tinham sido aprovadas por seus bitolados superiores. As piadas que conta durante o programa provocam a indignação de Steven Hauk (Bruno Kirby), seu superior imediato, que tenta sabotá-lo. Destaque na trilha sonora para a inesquecível "What A Wonderful World", de Louis Armstrong.



 TEMPO DE DESPERTAR (1990) 
Bronx, 1969. Malcolm Sayer (Robin Williams) é um neurologista que conseguiu emprego em um hospital psiquiátrico. Lá ele encontra vários pacientes que aparentemente estão catatônicos, mas Sayer sente que eles estão só "adormecidos" e que se forem medicados da maneira certa poderão ser despertados. Assim pesquisa bem o assunto e chega à conclusão de que a L-Dopa, uma nova droga que já estava sendo usada para pacientes com o mal de parkinson, deve ser o medicamento ideal para este casos. No entanto, ao levar o assunto para o diretor, ele autoriza que apenas um paciente seja submetido ao tratamento. Imediatamente Sayer escolhe Leonard Lowe (Robert De Niro), que há décadas estava "adormecido". Gradualmente Lowe se recupera e isto encoraja Sayer em administrar L-Dopa nos outros pacientes, sob sua supervisão. Logo os pacientes mostram sinais de melhora e também mostram-se ansiosos em recuperar o tempo perdido. Mas, infelizmente, Lowe começa a apresentar estranhos e perigosos efeitos colaterais.



 PATCH ADAMS - O AMOR É CONTAGIOSO (1998) 
Em 1969, após tentar se suicidar, Hunter Adams (Robin Williams) voluntariamente se interna em um sanatório. Ao ajudar outros internos, descobre que deseja ser médico, para poder ajudar as pessoas. Deste modo, sai da instituição e entra na faculdade de medicina. Seus métodos poucos convencionais causam inicialmente espanto, mas aos poucos vai conquistando todos, com exceção do reitor, que quer arrumar um motivo para expulsá-lo, apesar dele ser o primeiro da turma.


20 séries imperdíveis para assistir no Netflix



O Netflix, serviço de transmissão de vídeos pela internet, vem se popularizando cada vez mais no Brasil. A grande limitação ainda é a qualidade da rede mundial de computadores, problema principalmente para moradores de pequena cidades e até de bairros afastados das áreas centrais. Aliás, até moradores das áreas centrais sofrem com a instabilidade e lentidão da web, independente do serviço contratado.

Lado negativo à parte, o Netflix é o futuro da televisão - ou mesmo o presente -, como já escrevi aqui. O assinante pode assistir filmes ou séries a hora que quiser, parar e continuar no mesmo ponto. E a quantidade de vídeos aumenta cada vez mais, sem contar as séries produzidas pela própria empresa, que vêm recebendo muitas indicações e prêmios antes destinados apenas a canais de TV aberta ou a cabo.

Hoje sou um viciado no Netflix. Acompanho mais de 30 séries em meu tempo livre. Por isso, depois de ver amigos no Facebook pedindo dicas, preparei uma seleção com 20 destaques, em minha humilde opinião.

É claro que tudo é uma questão de gosto. Antes de alguém da Geração Lepo-Lepo deixar algum comentário típico, com palavrões ou ataques, destaco que são apenas indicações baseadas em vários fatores, como enredo bacana e efeitos especiais muito bons, além de grande atores.

Uma boa parte das indicações abaixo é de séries pouco conhecidas pelo grande público. Há também ótimos trabalhos mais antigos, que estão de volta graças ao serviço. Deixei de fora obras como Lost, Supernatural, Grey's Anatomy, Dr. House, Dexter, Glee, Bones e outras que também estão disponíveis para assistir - a maioria completas ou quase - e não precisam de indicações.

As sinopses são da própria Netfix, misturadas com meus comentários. Para acessar a série indicada, basta clicar na imagem:

 UM DRINK NO INFERNO (2014) 
Dois irmãos assaltantes cruzam policiais com sede de vingança e demônios famintos numa boate mexicana. Série original da Netflix baseada no filme cult de Robert Rodriguez. Com D.J. Cotrona e Zane Holtz. Robert Patrick interpreta um pastor que, pra variar, está em conflito com sua fé. E tem uma filha adolescente muito mimadinha - aliás, adolescentes mimados são típicos também em filmes norte-americanos.




 ARMAZÉM 13 (2009) 
Uma coleção de objetos sobrenaturais está oculta em um depósito do governo norte-americano escondido em uma área remota. Dois agentes secretos recebem a missão de encontrar peças que estão desaparecidas. Com Eddie McClintock e Joanne Kelly, que fazem a dupla clichê: uma certinha e outro descolado. Mesmo assim, são boas histórias. Destaque para o veterano Saul Rubinek, que interpreta o chefe dos agentes.




 THE LOST ROOM (2006) 
Uma história muito bem bolada e com apenas três episódios - cada um com cerca de 1h30 de duração. Depois que o detetive Joe Miller encontra uma chave que abre a porta de um misterioso quarto de motel, ele descobre que na verdade é um portal para um universo alternativo. E com a chave, pode ir para qualquer lugar do Planeta que tenha uma porta com maçaneta. Com Peter Krause e Julianna Margulies.




 MARVEL'S AGENTS OF S.H.I.E.L.D. (2013) 
O agente Phil Coulson, visto em ação no filme “Os Vingadores”, monta uma equipe com os melhores agentes da S.h.i.e.l.d. para investigar ameaças bizarras em todo o Planeta. Com Clark Gregg e Ming-Na Wen. O avião deles é cheio de tecnologia. Pena que não tem um aquário...




 DEFIANCE (2013) 
Após uma terrível guerra que devastou a Terra, alienígenas e humanos precisam coexistir e criar uma nova sociedade para tentar sobreviver. Com Grant Bowler e Julie Benz. Boas maquiagens e efeitos especiais. O protagonista é o típico soldado bonitão de meia-idade que ganha a vida correndo perigo, sempre encarando brigas e desafios, fazendo sucesso com as mulheres e encarando todos os vilões.




 SLIDERS (1995) 
Nesta série de ficção científica dos anos 1990, um estudante de física cria um dispositivo que lança ele e seus amigos em uma sequência de universos paralelos. Com Jerry O'Connell e Cleavant Derricks. O britânico John Rhys-Davies, muito conhecido por interpretar o anão Gimli em "Senhor dos Anéis", também se destaca na série como um professor que sempre ajuda o protagonista em suas viagens.




 HATFIELDS & MCCOYS (2012) 
Minissérie em três episódios com quase duas horas de duração cada. Baseada em fatos reais, conta a história de dois amigos que voltam para casa após a Guerra Civil nos Estados Unidos, mas crescentes tensões e ressentimentos acabam culminando em um conflito desesperador, com vários assassinatos em ambas as famílias. Essa briga ficou muito famosa e durou mais de 20 anos. Com Kevin Costner e Bill Paxton.




 UNITED STATES OF TARA (2009) 
A artista e mãe Tara Gregson está ocupada em equilibrar a carreira, os filhos e um problema de transtorno dissociativo de identidade, que faz com que tenha três personalidades diferentes: um homem, uma dona de casa certinha e uma adolescente rebelde. E todas surgem de repente, sem avisar. Com Toni Collette e John Corbett.




 TEEN WOLF (2011) 
Após ser mordido por um animal, um jovem vira lobisomem e se torna o grande atleta da escola, adorado pelas garotas, mas agora também precisa enfrentar novos problemas. Uma típica história com adolescentes bonitões ao estilo de "Crepúsculo" e bons efeitos especiais. Com Tyler Posey e Crystal Reed.




 LIFE ON MARS (2006) 
Série britânica. Após sofrer um acidente em 2006, o detetive Sam Tyler desperta no ano de 1973. Ele continua investigando casos enquanto tenta compreender a noção de viagem no tempo. Com John Simm e Philip Glenister, que interpreta um chefe de polícia violento e beberrão que não sabe o que são direitos humanos. O contraste entre ele e o protagonista, que segue a lei à risca, dá o charme à história.




 ALPHAS (2011) 
Uma equipe de pessoas com incríveis habilidades neurológicas recebe a missão de solucionar crimes complexos cometidos por bandidos que também possuem superpoderes, ao estilo X-Men. Com David Strathairn e Ryan Cartwright. Boas histórias e efeitos especiais. A música de abertura também é tudo de bom! Pena que a série foi cancelada. Assim, há apenas duas temporadas. Apesar disso, vale a pena assistir.




 MODERN FAMILY (2009) 
Esta série, vencedora do Emmy, acompanha a vida de Jay Pritchett e sua eclética família enquanto lidam com os desafios da vida contemporânea em Los Angeles. Com Ed O'Neill e Sofía Vergara. É sinônimo de muitas risadas. Um humor simples e inteligente, sem apelação. Indicada para melhorar o seu dia, com certeza.




 HEMLOCK GROVE (2013) 
Segredos são só parte do cotidiano da pequena Hemlock Grove: o lado sinistro da cidade se esconde em plena luz do dia. Com Famke Janssen, atriz holandesa que ficou famosa por interpretar Jean Grey em "X-Men", e Bill Skarsgård, que faz seu filho. Você vai ver novas formas de transformação de lobisomem e vampiros, digamos, diferentes...




 LIFE (2007) 
Exonerado após 12 anos na prisão, um ex-policial de Los Angeles consegue ser solto e voltar ao emprego, mas ele traz uma postura de trabalho totalmente zen. Com Damian Lewis, que também é protagonista da série "Homeland", e Sarah Shahi, que ficou conhecida por participar da excelente "The L World". Ela faz a típica policial gostosona e durona. Aliás, "Homeland" e "The L Word" também estão no Netflix.




 ONCE UPON A TIME (2011) 
Uma jovem é atraída a Storybrooke, pequena cidade do estado de Maine, nos Estados Unidos (só podia ser lá, como sempre), e descobre que o local está cheio de elementos dos contos de fada. Com Ginnifer Goodwin e Jennifer Morrison. Excelente série que consegue reunir Branca de Neve, Pinóquio, Peter Pan, Chapeuzinho Vermelho, Capitão Gancho e outros personagens sem ficar infantil, e com ótimas histórias. Destaque para os vilões. O britânico Robert Carlyle dá vida a Rumpelstiltskin, o Senhor das Trevas, e sua magnífica risadinha sarcástica. E Regina, a Bruxa Má, é interpretada por Regina Mills, considerada uma diva pelos fãs graças ao talento, beleza e um guarda-roupa de dar inveja a qualquer realeza. Outro fato curioso: Ginnifer Goodwin, que faz a Branca de Neve, é casada na vida real com Josh Dallas, o Príncipe Encantado. Ela ficou grávida do primeiro filho do casal durante a terceira temporada, fazendo com que a série fosse adaptada para que Branca e Encantado também tivessem seu segundo bebê.




 ORANGE IS THE NEW BLACK (2013) 
Uma privilegiada nova-iorquina acaba numa penitenciária por um crime cometido anos atrás. Com Taylor Schilling e Jason Biggs. Vários personagens com incríveis historias, dentro e fora do presídio. O resultado: muito sucesso para mais uma série produzida para Netflix, que já recebeu prêmios. Destaque para a atriz Uzo Aduba, que interpreta Crazy Eyes. Não há quem não fique assustados com aqueles olhões!




 BREAKING BAD (2008) 
Ao constatar que sofre de um câncer terminal, o professor de ciências Walter H. White decide fabricar e vender drogas para garantir o futuro de sua família. Com Bryan Cranston e Aaron Paul. Série premiadíssima que vai conseguir prender você do começo ao fim. Entrou para a lista das minhas prediletas de todos os tempos.




 HOUSE OF CARDS (2013) 
Nada pode impedir um político ambicioso de conquistar Washington. Drama político vencedor do Emmy e Globo de Ouro. Com Kevin Spacey e Robin Wright. Mais uma mina de ouro produzida para própria Netflix. Além de Spacey e Robin, que arrebentam como um casal que passa por cima de quem estiver em seu caminho para a Casa Branca, destaque para Michael Kelly, que faz Doug Stamper, um ex-alcoólatra e braço direito do deputado protagonista.




 AMERICAN HORROR STORY (2011) 
Explorando a perturbadora capacidade humana de fazer o mal, este drama diabólico brinca com o poder do medo do sobrenatural e dos terrores do dia-a-dia. Com Evan Peters e a veterana Jessica Lange. O interessante da série é que os mesmos personagens vivem histórias diferentes em cada temporada. A primeira se passa em uma casa assombrada; a segunda, em um manicômio. Zachary Quinto, que faz o fantasma de um dos moradores da casa na primeira temporada e um psiquiatra com vários segredos na segunda, é um dos destaques.




 ARQUIVO X (1993) 
A premiada série da Fox mostra os agentes do FBI Dana Scully, uma cética, e Fox Mulder, um crente, que trabalham para revelar uma conspiração governamental sobre extraterrestres. Com David Duchovny e Gillian Anderson. Está completa na Netflix e com boa qualidade. Vale a pena relembrar as intrigantes histórias de uma das séries de maior sucesso da TV mundial. Quem não ficava assustado com aquela inesquecível abertura, uma das melhores já feitas?!


O que esperar da 'Geração Lepo Lepo'?


A atual Geração Z, que sucedeu a Y, cresceu conhecendo a internet, tendo acesso a aparelhos eletrônicos e usufruindo de tudo que a tecnologia permite neste momento. Assim, deveria ser mais antenada com o que acontece com o mundo, mais preparada. Mas parece que acontece justamente o contrário.

Com poucas exceções, esta 'Geração Lepo Lepo', como chamo, parece muito mais alheia aos acontecimentos e é facilmente manipulada. A grande maioria não sabe o que é respeito ao próximo e prega a raiva e a destruição, principalmente nas redes sociais. É este grupo, o futuro de nosso país, que criou barbaridades como os tais rolezinhos, destruições de patrimônios em nome do "direito" de protestar, como fazem os black blocks, e desobediência de qualquer lei, badernando em nome do "direito" à diversão - como fazem, por exemplo, para comemorar vitórias da seleção brasileira na Copa.

O que vemos no dia a dia sendo feito por esta nova geração é triste, e contamina outras pessoas, infelizmente. Na música, por exemplo, o que reina são letras que só falam de ralação e bebedeira, como se isso fosse algo de se orgulhar. E a mídia, é claro, vai atrás de onde o dinheiro está, divulgando incansavelmente pseudoartistas como o tal Psirico, que vem ganhando muito dinheiro com sua Lepo Lepo, cujo clipe já foi acessado mais de 23 milhões de vezes no Youtube e virou "hit" do carnaval 2014. A própria Fifa incluiu esta "música" em seus "sucessos" da Copa 2014, como se fosse uma das melhores coisas produzidas em nosso país...

A mesma 'Geração Lepo Lepo' fez estourar o chamado sertanejo universitário, cujas letras, com poucas exceções também, valorizam bêbados e mulheres fúteis. Esta mesma geração fez meninas acharem que colocar um shortinho apertadinho e rebolar até o chão é sinal de ser gostosa. É o mesmo grupo que valoriza ser "poderosa" e que o resto, que não pode ser gostosa ou não acha a futilidade interessante, é formado apenas de "invejosas", como prega Anitta, uma das "musas" da 'Geração Lepo Lepo' junto com Valesca Popozuda, a "pensadora".

E o tal funk ostentação, no qual garotos que mal saíram das fraudas cantam um monte de baboseiras e vivem cheio de correntes e anéis de ouro? Junte isso aos tais bondes cariocas, tão em evidência na TV Globo, a maior emissora do Brasil e que lucra muito divulgando estas "músicas" e "artistas" em sua programação, inclusive nas novelas.

Cada vez mais estes jovens da 'Geração Lepo Lepo' pregam a inversão de valores. Acham que passar de carro com som nas alturas, tocando uma de suas "músicas" prediletas, é sinal de ser popular - sinal de inteligência não é. E as meninas seguem fazendo "Quadradinho do Oito", se exibindo e rebolando, empinando a bunda como se isso fosse realmente sensual e não pura baixaria. E ainda se intitulam "maravilhosas".

No trabalho é a mesma coisa. Raramente se encontra um bom funcionário, alguém que quer realmente investir na carreira, aprender, respeitar hierarquias. E todas as profissões vão perdendo qualidade, com uma mão de obra muito ruim e de nível muito inferior.

Será que há alguma esperança para mudar este tipo de atitude? Qual vai ser o futuro do Brasil com este comportamento? Sexo ao vivo nas novelas, em horário nobre, por exemplo? Alguém começar a rosnar ou escarrar ao som de funk e ficar milionário com esta inovação?

Não, este texto não prega o puritanismo. É apenas uma reflexão para os poucos que se interessarem em ler, já que leitura não é algo típico de quem faz parte da 'Geração Lepo Lepo', muito menos qualquer interpretação...

Prepare-se para ficar com medo, muito medo...


Se você gosta de assistir filmes de terror e não se assusta fácil, então vai adorar uma série que mostra apenas fatos reais. "Paranormal Witness" (Testemunha Paranormal, em tradução livre) é um documentário exibido desde 2011 pelo canal americano Syfy, com dramatizações das histórias tão perfeitas, tão assustadoras, que farão os mais céticos ficarem de cabelo em pé.

No Brasil, o canal pode ser acessado em TV a cabo, e depende muito do pacote assinado. A série está disponível para baixar via Torrent (serviço de compartilhamento de arquivos) e em qualidade HD.

Clique aqui para acessar a página e baixar

Há três temporadas disponíveis de "Paranormal Witness". Cada episódio traz uma ou duas histórias diferentes, contadas por testemunhas de casos muito estranhos. Alguns com vários depoimentos, mesmo bizarros. Enquanto a pessoa conta o que aconteceu, atores reproduzem a história de forma muito convincente e cheias de efeitos especiais. Sem contar uma ótima edição/direção de especialistas em filmes de terror.

Há casos tão envolventes que não há como não ficar tenso, principalmente se estiver assistindo à noite, com tudo escuro. Fica aquela impressão de que alguma coisa vai acontecer na sua sala ou uma entidade vai aparecer de um canto escuro.

Você não acredita em fantasmas, possessões, assombrações ou premonições?

Então, experimente assistir alguns episódios para tirar a dúvida e ver se realmente não vale a pena acompanhar. Mas não se esqueça do ingrediente principal: ver à noite, com todas as luzes apagadas...

Use o Office gratuitamente em seu smartphone


A Microsoft decidiu liberar o pacote completo do Office Mobile, contendo Word (editor de textos), PowerPoint (apresentações em slides) e Excel (tabelas), para celulares com sistemas operacionais Android e iOS (iPhone). Para instalar, basta criar uma conta, também sem pagar nada.

Além de editar os documentos, o usuário pode guardá-los no OneDrive, sistema de armazenamento da empresa em servidores na internet (na nuvem). Pode abrir também anexos de e-mail. O aplicativo é programado para se adaptar à tela do celular ou tablet, segundo promete o app.

"A formatação e o conteúdo permanecem intactos quando você edita documentos do Word, do Excel ou do PowerPoint em seu telefone", diz a apresentação do sistema. Para uso comercial, é preciso pagar.

Clique aqui para instalar em celulares com Android;
Clique aqui para instalar em iPhones.

Quanto custa ser um fotógrafo?


Nos dias de hoje, a fotografia tem dominado os hobbies de diversas pessoas. Seja o fanático pelas fotos ou simplesmente aquela pessoa que quer registrar belas imagens de eventos pessoais, essa prática tem se tornado parte da cultura. Com as novas tecnologias e a diminuição dos preços de diversas câmeras, ficou possível experimentar ser fotógrafo sem ser um expert no ramo.

   Texto de Julie Garcia   

Os preços baratearam conforme o passar do tempo. Antes, ser fotógrafo exigia tanto um conhecimento técnico maior e mais elaborado sobre as técnicas quanto um investimento pesado para conseguir os equipamentos, como flash, tripé e lentes. Com o maior acesso às tecnologias, é possível adquirir boas câmeras por valores menores, e explorar e aprender a operar diversas delas sem muitas complicações. Com a chegada do digital, o perfil da fotografia se modifica drasticamente. O acesso a ela se torna mais fácil e seus custos também diminuem, popularizando bastante essa área.

A fotografia, mais do que outras formas de arte, parte de uma observação e da prática. Por isso, mais do que equipamentos sofisticados e refinados, é necessário que o fotógrafo aprenda a lidar com seu material e adquira uma prática e estilo próprios. Assim, essa dependência da técnica e o custo operacional diminuíram muito. Profissionais, em geral, investem R$ 2.000 em uma boa câmera. Mas nem sempre as melhores lentes e o tripé mais caro garantem a melhor foto.

Atualmente, as novas tecnologias mostram que não é necessário ter a melhor câmera do mundo para tirar fotos esteticamente boas. As lentes que integram os smartphones, assim como novos aplicativos, permitem que um usuário comum possa clicar e editar as próprias fotos sem encontrar grandes dificuldades. O resultado, apesar das críticas de alguns dos profissionais da área, consegue satisfazer até os olhares mais críticos e surpreender em termos visuais.

A nova tendência de reviver as máquinas analógicas também tem feito com que esse tipo de fotografia esteja cada vez mais acessível. Tanto a moda vintage quanto um saudosismo pelas fotografias de filme e a época em que uma foto era tirada com mais preciosismo, as analógicas estão por toda a parte. Diversas câmeras passaram a ser produzidas e vendidas na internet por preços menores. O que é evidente, no entanto, são os gastos maiores com essa modalidade específica de fotografia. As câmeras não chegam a ser tão caras, mas exigem gastos com filmes e revelações. No mercado, existem modelos que não chegam aos R$ 300 e com os quais é possível produzir bons resultados. Os filmes, importados, custam em média R$ 65 - por três filmes de 36 poses.

Assim, para ser fotógrafo é mais importante saber estar independente dos valores e mais apegado a forma que você se sente mais confortável e com a qual produz os melhores resultados. Na hora de adquirir os equipamentos, vale botar na balança o quanto vale a pena investir e se é possível fazer o mesmo com os recursos já disponíveis.

Facebook, um paraíso para os hipócritas


Responda rápido: qual é a diferença entre o Facebook e um político em campanha? Nenhuma! Nos dois casos, reina a hipocrisia.

Vamos aos fatos. Assista ao horário eleitoral gratuito e veja quantos partidos "bons" temos em nosso país. Todos eles "pensam" no eleitor, "trabalham" para um "mundo melhor" e sempre têm solução para tudo. É claro: se estiverem no poder. Caso contrário, o atual governante está fazendo tudo errado.

No Facebook é a mesma coisa. Um montão de gente prega a bondade, adora compartilhar frases feitas, louvar a palavra de Jesus, mas é tão hipócrita quanto qualquer político ou partido. Na vida real, faz tudo ao contrário do que diz na rede social. Lobo em pele de um cordeiro...

Outro exemplo: um político faz seu discurso com gritos, gesticulando, criticando o adversário e prometendo tudo diferente, pelo "bem" do povo, se for eleito. Quando assume, esquece tudo e trabalha para o "bem" de quem o ajudou, fazendo tudo igual à concorrência, e muitas vezes pior.

A mentira e a hipocrisia são típicas do ser humano, com algumas exceções, é claro. O sujeito é um péssimo companheiro de trabalho, um pai/mãe horrível, faz mal para um monte de gente e depois vai ao Facebook falar de Deus, compartilhar coisas positivas. Prega a bondade, age como se fosse um exemplo na comunidade.

Pior ainda são aqueles que se dedicam a criticar o próximo. Usam seu direito de se manifestar para apontar o dedo, corrigir erros de português como se fosse um especialista, rir da desgraça alheia, achar um culpado para tudo. Na vida real, faz tudo igual ao que critica, sem tirar nem pôr.

Por que existem tantas pessoas assim?

Enquanto elas prevalecerem na sociedade, forem exemplos para outros maus exemplos, continuaremos a ter um país com brasileiros que não respeitam as leis, lincham pessoas nas ruas por causa de boatos, jogam vasos sanitários na cabeça dos outros e elegem corruptos iguais a eles para depois, é claro, colocar a culpa nos outros.

A solução é tão simples que vai parecer hipocrisia também: escolher, sempre, o bem.

Entrevistado no 'Questão de Opinião'

Arthur entrevista Zemarcos (esq.) e Régis (Fotos de Valdivo Pereira/Folha da Região)

Recebi um convite que me deixou muito feliz: participar do programa de entrevistas do amigo Arthur Leandro Lopes. E melhor: ao lado de um velho companheiro dos tempos de rádio: Régis Queiroz.

O "Questão de Opinião", comandado pelo professor Arthur, vai ao ar pela TV Araçatuba, emissora do grupo Folha da Região transmitida pela NET em Araçatuba (SP), no canal 21. Traz sempre ótimas entrevistas com personalidades da cidade e região.

A proposta de nosso bate-papo era lembrar dos tempos de rádio - trabalhamos juntos na Cultura FM, de Araçatuba -, além de contar um pouco de nossas histórias e comparar os trabalhos em outras mídias, como TV, jornal e internet.

O interessante foi a pré-entrevista com o Arthur em sua escola de inglês, muito conhecida em Araçatuba, principalmente por ter um helicóptero de verdade como chamariz em sua entrada. Nossa conversa durou mais de três horas; a entrevista, cerca de 20 minutos.

Neste link, você confere nosso bate-papo e pode ler a versão que foi publicada na Folha da Região no dia 21/05/2014, mesmo dia em que a entrevista foi ao ar.

Abaixo, a entrevista completa:




É possível amar um programa de computador?

Cena do filme 'Ela', quando Theodore instala o sistema operacional Samantha

Fato 1: o ser humano tem uma necessidade instintiva de se relacionar. É raro encontrar alguém que foge à regra. Como bem canta Alceu Valença: "A solidão é fera, a solidão devora"...

Fato 2: esse relacionamento não precisa ser necessariamente com outro ser humano. Veja quantas pessoas conversam com animais de estimação. Dialogam com eles como se esperassem uma resposta, tratam até como filhos. Outros, falam com as plantas...

Fato 3: o relacionamento é tão importante que as redes sociais vivem cheias, lotadas de pessoas à procura de pessoas. Para uma boa parte, é mais fácil desabafar na frente de um monitor de computador, teclando seus sentimentos, espalhando pela rede...

Fato 4: o cérebro humano tem uma necessidade primária de se comunicar. E o que fazer quando se está só por um bom tempo? A gente pode conversar com o próprio cérebro, uai! Parece loucura, mas é apenas uma forma de interagir consigo mesmo. Experimente qualquer hora fazer uma pergunta para seu cérebro. A resposta vem quase imediata, como se realmente ele respondesse - na verdade, é ele mesmo agindo...

A solidão leva a gente a procurar refúgio em qualquer ser, mesmo inanimado. E existem bons exemplos disso, na vida real ou ficção. Em 2002, o relacionamento inusitado de um dos participantes do programa BBB, da TV Globo, conhecido como Kléber Bambam, o levou a vencer a primeira edição do reality show. No começo, se achava o rei das mulheres, se relacionou até com uma das participantes, mas sua arrogância o afastou dos outros. Acabou rejeitado pelo grupo e enfrentou diversos paredões, saindo vitorioso porque, na verdade, era um crianção.

Sem ninguém para conversar, montou uma boneca e a chamou de Maria Eugênia. Na reta final do programa, a produção tirou seu brinquedo e único amigo. Chorando como criança, Bambam foi ao confessionário e pediu que lhe devolvessem a boneca. Bastou para que o público se comovesse.

Em "O Náufrago" (Cast Away, 2000), Chuck Noland (Tom Hanks) sofre um acidente aéreo e vai parar em uma ilha deserta. A solidão o leva a desenhar um rosto - com sangue - em uma bola de vôlei, a quem chama de Wilson - por causa da marca do produto. Seu desespero ao perder o "amigo" no mar também é emocionante.

Então, seria possível se apaixonar por um programa de computador? Difícil responder, né. E e se este programa fosse especial, com uma inteligência artificial capaz de aprender com você e se relacionar? Isso mesmo, se relacionar! Rir, fazer piadas, comentar sobre as coisas que você gosta...

Se acha que não, como explicar tantos namoros que surgiram em salas de bate-papo na internet? As pessoas não se conhecem, moram até em países diferentes, mas trocam confidencias e, de repente, estão apaixonadas, mesmo sem poder se tocar.

Perguntas como a do título deste texto são discutidas no excelente filme "Ela" (Her, 2013). Na história, o protagonista é Theodore (Joaquin Phoenix), um escritor de cartas solitário que está enfrentando a barra de um divórcio. Ele busca companhia em salas de bate-papo, em encontros com mulheres de verdade, mas acaba se apaixonando mesmo por Samantha (Scarlett Johansson). Ou melhor, pela voz dela, pois trata-se de um novo sistema operacional para computador.

Assista ao trailer de "Ela":




A curiosidade sobre esse relacionamento real-virtual é o que leva a assistir ao filme escrito, dirigido e produzido por Spike Jonze. Theodore vive em um futuro próximo, em que conversa com o próprio celular andando pela rua. E não parece louco, porque as pessoas que passam por ele fazem a mesma coisa, praticamente ignorando uns aos outros.

Há momentos no filme em que este relacionamento entre o sensível Theodore e Samantha leva você a se emocionar. E a refletir se realmente isso será possível um dia. Talvez uma das partes mais marcantes de "Ela" seja uma das frases do protagonista ao se declarar para o sistema operacional: "Eu nunca amei ninguém do jeito que eu te amo"...