Sugestões para mudar o Brasil (e os brasileiros)


Parece utopia achar que o Brasil pode mudar para melhor. Mas acredito que pode, do fundo do meu coração. O problema não são os políticos corruptos, mas a população corrupta. São estas pessoas que atrasam nosso país, desviando dinheiro e pensando apenas no próprio umbigo.

Tudo de ruim que existe no nosso país é provocado pelo próprio povo brasileiro. É ele que decide roubar em vez de estudar; e ele que decide entrar na política e ser corrompido; é ele que vira político corrupto; é ele que vota em seus pares corruptos em troca de benefícios próprios; é ele que aceita trabalhos fantasmas apenas para ganhar dinheiro público sem fazer nada.

Felizmente, existem brasileiros de verdade, que pensam no próximo, no bem-estar geral, inclusive na política. Mas são poucos e não podem fazer nada contra uma maioria que prefere recorrer ao "jeitinho" e se orgulha disso.

Esses pseudobrasileiros criticam a falta de educação, colocam a culpa nos professores e nas escolas e faculdades. É claro que a falta de estrutura é grande e faltam investimentos, mas quem quer estudar não precisa de desculpas. Vai lá e faz!

O primeiro grande passo para o Brasil progredir é acabar com os partidos políticos. São grupos que existem apenas para coordenar quantos cargos vão conseguir no serviço público em troca de apoio incondicional a quem der mais. Com o fim dos partidos, qualquer um poderia se candidatar a um cargo público.

Outra sugestão é que todos os candidatos tenham financiamento público. Pega-se o bolo da verba para isso e se distribui igualitariamente. Quem gastar mais do que isso, não poderá assumir se for eleito.

E vamos continuar com a utopia: todos os políticos passam a não receber mais salários. Apenas ajuda de custo para viagens, por exemplo. Ele chega no aeroporto e assina um documento, que será enviado ao Legislativo para pagamento. Os assessores serão funcionários públicos aprovados em concurso.

Se algum parlamentar for flagrado se dizendo da base governista ou oposição, poderá ser cassado por falta de decoro. Ele foi eleito para fiscalizar e não ser submisso ao Executivo nem se tornar um obstáculo para os projetos.

Nas escolas, os alunos que desacatarem professores ou colegas serão suspensos e até expulsos compulsoriamente. Nada de conversa com pais, já que eles deveriam ter criado melhor seus filhos.

Nas penitenciárias, presos passariam a trabalhar diariamente, sem qualquer benefício para isso. Aliás, benefícios como a saidinha seriam extintos. Trabalhos braçais diários para o serviço público ajudariam os bandidos a se ocupar em vez de ficar controlando o tráfico de drogas de uma cela ou procurando encrenca.

A pena de morte passa a ser instituída. Matou alguém, será condenado à morte também.

As penitenciárias seriam privatizadas, já que os governos não têm capacidade para geri-las.

Na Justiça, as apelações seriam feitas com o réu cumprindo pena logo após a primeira decisão. E esta decisão teria que sair em uma semana, no máximo. E mais: só uma apelação. Nada de ficar recorrendo a 200 mil instâncias superiores. E advogado que defender bandido tentando enganar a Justiça e os jurados, seria expulso e iria para a cadeia com ele. Simples assim. Defender direitos é uma coisa; trabalhar para libertar assassino e bandido é se equiparar a ele.

Outra: juiz suspeito de corrupção seria afastado imediatamente do cargo até a apuração. E se comprovado, será demitido e preso compulsoriamente. Nada de benefícios.

Na saúde, todos os médicos seriam obrigados a trabalhar também no serviço público. Todos, sem exceção. E se comprovado que atenderam mau alguém ou pediram dinheiro, serão afastados e não poderiam clinicar até a conclusão das investigações. Se culpados, cadeia neles.

E a população, a principal culpada de tudo de ruim que temos? Cadeia compulsória para quem dirige bêbado. Matou alguém ao volante, vai para a cadeia imediatamente. Se estava bêbado, perde o direito de dirigir na hora.

E para finalizar: ladrão que for preso terá que ressarcir as vítimas. Vai trabalhar na prisão para pagar pelo que fez e o dinheiro que conseguir com qualquer benefício será direcionado para as famílias prejudicadas.

E o "di menor"? Este será tratado como adulto. Vai para a cadeia, independente da idade, e também terá que trabalhar para ressarcir. Chega de achar que pau que nasce torto pode ser endireitado. As estatísticas comprovam que isso não funciona.

Enfim: direitos humanos apenas para ajudar famílias prejudicadas pelos bandidos. Bandidos perdem os direitos quando acham que podem roubar alguém ou matar.

E você, achou as sugestões rigorosas demais? Já pensou em mudar?

O blogueiro José Marcos Taveira, ou Zemarcos, é jornalista há 30 anos, com especialização em comunicação social. Mora em Araçatuba, cidade do interior de São Paulo (Brasil).
Saiba mais sobre o autor.